segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Tsunami midiático e a soberba

Paro na sinaleira. De repente, fico com a sensação que eu também estou em abudabi. Afinal, qual o jornalista esportivo (com ou sem veículo ‘oficial’) não está em abudabi?

Em 1983 (olha 1983 aí de novo, gente...), foi meia dúzia de gato pingado.

Mas como eu ia dizendo, um sujeito com vestimenta de árabe se aproxima carregando uma bandeira vermelha e umas toalhas brancas com o escudo do Inter (o verdadeiro, não aquele que a Fifa colocou em seu site, o do Vitória).

Ele olha pra mim e eu sinalizo um não rotundo (como diria o Brizola) com o dedo indicador balançando de um lado pro outro.

Penso: eu já não ligo o rádio no AM pra não ouvir boletins de abudabi a todo instante descrevendo as mais diversas situações do pessoal que está por lá, hábitos, comida, lazer, urbanismo, piscina, praias, trânsito e, acreditem!, até futebol.E aí me aparece um 'árabe' em plena Goethe...

Os jornais também estão exagerando. Nem falo nos sites.

Em todos os quesitos a RBS desponta. É um tsunami de informações. O clicrbs há dias joga na nossa cara um banner gigante sobre o mundial.

Pode aparecer um marciano anunciando um ataque ao planeta ou um cientista revelando ao mundo a descoberta definitiva do câncer e da Aids, que o banner sobre o Inter em abudabi estará ali, acima de tudo.

NA ZH, a cobertura é abrangente. Levaram até um parente do Harry Potter e uma especialista em amenidades e sociedade. Só faltou o Sant'anna.

E o que são as fotos de página inteira em preto e banco com os grandes personagens colorados? Duas por dia. Numa, hoje, o Celso Roth, o maestro, com duas musicistas. As fotos até que são legais, mas me parece tudo tão exagerado.

Sem contar o jornal que é impresso lá, cinco mil exemplares distribuídos aos torcedores que cruzaram o planeta para acompanhar o time. Outra boa ideia.

E tem ainda a rádio, a TV...

A RBS tem fama de ser gremistona. É coisa de torcedor. Não penso assim, mas é algo que existe já há muito tempo. Talvez desde 1983.

Naquele, numa dimensão infinitamente inferior, a RBS fez um carnaval em cima do título gremista. Os tamborins, as cuícas ficaram ecoando 23 anos nos ouvidos colorados. Pode ser que tenha começado aí essa história de RBS gremista. Uma bobagem.

O grupo, talvez pra provar que não tem nada disso, foi com tudo pra abudabi. E bem que ela faz. A imagem da RBS deve mudar perante os colorados depois desse torneio. Agora, se o Inter não vencer pode ficar uma fama de pé-frio. Torcedor não perdoa. Alguém tem que pagar a frustração galática.

Agora, não tenho dúvida de que quando o Grêmio chegar lá de novo, vai ser a mesma coisa ou até mais, dependendo da tecnologia que estará disponível e dos interesses em jogo.

A cobertura deste ano supera bastante a realizada quatro anos atrás.

Então, não é questão de coloradismo ou gremismo.

De qualquer jeito, é uma festa para os colorados, que hoje vão atropelar o time africano que a Fifa colocou no centro dos acontecimentos.

Para os gremistas, tudo isso é insuportável.

Pior só cobertura de carnaval sem ter TV a cabo, ou aquele massacre que é cobertura de eleição, principalmente quando se sabe que o nosso candidato não tem a mínima chance.


SAIDEIRA

Todo essa cobertura da mídia já inflou a torcida colorada. Atingiu dirigentes. F. Carvalho assina um blog. Roth se esforça para levar o Mazembe a sério, mas a gente percebe que ele tá de brincadeira. Treina até pênalti, mas não convence. Os jogadores não sabem se são modelos fotográficos ou atletas.

Durante 23 anos o Grêmio levou o carimbo da soberba.

Ser campeão do mundo dá nisso. A soberba agora trocou de lado, estimulada pela mídia.

O Inter que enfrentou o Barcelona era diferente. Humilde.

Este é um Inter que veste Prada e anda de salto alto. Contra o mambembe não fará diferença, mas contra a Inter...

DOSE DUPLA

CONFIRAM ABAIXO O SUCESSO DA 1983, a cerveja campeã. E sem soberba.


11 comentários:

  1. Meu caro, não é somente a imprensa esportiva do RS. Todos os dias há matéria de capa no Terra, Globo Esporte, Gazeta Esportiva (paulistassa!!), no blog do Juca, chamadas na Globo, ESPN e SporTV, ou seja, de Norte a Sul o assunto é este. Também acho exagerado. Deveriam falar mais daquele clube da Azenha que está se preparando para a 'final' contra o Liverpool-UR. Mais do que a conquista do título, vale a exposição positiva no mundo todo. É tudo que qualquer clube deseja. O único risco é pagar mico na semifinal. O resto é só alegria.
    De qualquer forma sou obrigado a concordar em uma coisa; se fosse o inverso eu estaria lendo apenas Gibi...

    ResponderExcluir
  2. me interessei, qualé o gibi?
    me passa uma coleção, por favor!!!!!!

    ResponderExcluir
  3. BEIJA RABO DE REAÇA13 de dezembro de 2010 22:52

    WikiLeaks revela conversas de Serra com petroleiras dos EUA sobre o pré-sal51 comentários Compartilhar Orkut Facebook MSN/Windows Live Twitter Imprimir tamanho da letra A- A+
    Serra teria prometido a petroleiras dos EUA que mudaria regra de exploração do pré-sal Um telegrama diplomático dos EUA, vazado pelo site WikiLeaks, revela conversas entre as petroleiras norte-americanas com o então pré-candidato à Presidência, José Serra (PSDB), sobre a mudança no marco de exploração de petróleo no pré-sal, aprovada pelo Congresso.

    O telegrama, divulgado na íntegra pelo site da Folha, mostra que os EUA eram contrários à mudança. O candidato José Serra, segundo o documento, teria garantido aos EUA que, se fosse eleito, mudaria a regra. "Deixa esses caras (do PT) fazerem o que eles quiserem. As rodadas de licitações não vão acontecer, e aí nós vamos mostrar a todos que o modelo antigo funcionava... E nós mudaremos de volta", teria dito Serra a Patricia Pradal, diretora de Desenvolvimento de Negócios e Relações com o Governo da petroleira norte-americana Chevron.

    Segundo a Folha, o economista Geraldo Biasoto, um dos responsáveis pelo programa de governo de Serra, confirmou que a proposta do PSDB previa a volta ao modelo antigo. Ele confirmou também que Serra expôs sua opinião em reuniões, inclusive com representantes de petroleiras estrangeiras.

    O telegrama vazado revela ainda que as petroleiras estrangeiras se decepcionaram com a “falta de empenho” da oposição em derrubar a proposta do governo no Congresso. O próprio Serra é mencionado como alguém que era contra mas que não teve “senso de urgência”.


    Links Leia em inglês o telegrama na íntegraTelegrama mostra que petroleiras eram contra novas regras; leia em inglêsWikiLeaks: EUA estavam preocupados com exploração do pré-sal
    notícias relacionadas
    Dilma reage com tranquilidade a telegramas dos EUA sobre sua atuação na ditadura
    Mãe de fundador do WikiLeaks diz que filho enfrenta "grandes forças"
    WikiLeaks: EUA consideram que Dilma assaltou bancos durante a ditadura
    EUA respondem críticas de Lula à prisão do fundador do WikiLeaks
    Para Aécio e Alckmin, programa do PSDB está desatualizado

    Da Redação
    Comunicar erro Se você encontrou erro neste texto, por favor preencha os campos abaixo. Sua mensagem e o link da página serão enviados para a redação do portal POP, que checará a informação.




    Enviar por e-mail Enviar esta notícia para um amigo.



    Enviar para o meu e-mail

    ResponderExcluir
  4. Ilgo e Francisco,
    Hoje Inter foi empatou com Goiás e foi desclassificado, não conseguiu passar da 1ª fase.
    O mais justo desse resultado é que o Goiás que ficou em 1º do grupo e com empate desclassificou o inter tem um treinador Andre Prodes que trabalhou 14 anos no Inter e foi mandado embora por que perdeu um Grenal e não aceitava interferência na escalação do time, assim atrapalhando alguns esquemas da parte suja do futebol. É um profissional que descobriu o Nilmar junto com Mano Menezes e teve vários títulos no seu trabalho.
    Um profissional que Grêmio deveria pensar em trazer urgentemente.

    ResponderExcluir
  5. Andre Prodes, está aí uma bela sugestão.

    ResponderExcluir
  6. Até pode o André Prodes, mas tem de ter um coordenador que entenda do riscado e principalmente que acompanhe os treinos. Devemos lembrar que é mais importante aprimorar os fundamentos e a consciência tática que ganhar copinhas. A base deve ser formadora de jogadores completos.

    ResponderExcluir
  7. Na minha opinião tal coordenador deveria pinçar os mais promissores e efetuar um trabalho de aprimoramento visando à utilização na equipe principal. Colocar na vitrine.
    A queda do Inter mostra que empate também derruba aos que estavam menosprezando a SC CUP onde o Grêmio sagrou-se CAMPEÃO e o Inter ficou em 4°.
    Agora com a queda no SUB 20 vão criar factoides de estarem desfalcados. Sempre querem arrumar desculpas fajutas.
    Quero ver mais tarde ao levarem um pau do Mazembe qual será a desculpa...

    ResponderExcluir
  8. Megalomania na mídia. Band, guaiba e rbs. Incrível. Eu entendo que se tenha uma cobertura diferenciada, mas estão exagerando. Transformaram o mutzembe em um manchester united.
    Lamentável o caso se pedofilia. Vamos esperar para ver se o sujeito é realmente culpado.

    ResponderExcluir
  9. é vamos esperar PARA VER SE O SUJEITO É MESMO CULPADO.
    Já com a Dilma e o PT, não é preciso esperar, BASTA DENUNCIAR E PRONTO, HEHEHEH
    Mas com a yedinha e o time da Azenha, o certo é esperar, hehe

    ResponderExcluir
  10. Ilgo, pode não ser caso de coloradismo. Mas não acredito que, se o Grêmio vencer a Libertadores e chegar ao Japão no ano que vem, a cobertura será tão espalhafatosa. Isso não é paranoia de gremista e nem estou aqui cometendo o erro de comparar épocas diferentes como 95 ou 83. Basta comparar as coberturas das finais das Libertadores de 2006 e 2007 para ver que foram dados enfoques diferentes. Em 2006, Inter e São Paulo era tratado como "a grande final". Em 2007 o Grêmio recebia o tratamento de um azarão contra o Boca.
    Isso ocorre a meu ver por que a ascensão do Inter coincidiu com aquele período de caos administrativo do Grêmio que o levou a 2ª divisão, sendo ainda que coincidiu com o início dos pontos corridos. O que foi o suficiente para que muitos - principalmente aqueles que faziam questão de atribuir as conquistas do Grêmio ao acaso e ao formulismo - visse nisso uma nova ordem no futebol, consolidando o Inter como "o grande" do estado e o Grêmio como um clube condenado à decadência. Naquele período, que culminou no título mudial do Inter, foi fabricado esse consenso que acabou virando uma pauta jornalística. Dali em diante, o Inter recebe esse tratamento de favorito em todas as competições que disputa, sendo os títulos considerados como decorrentes da grandeza e da organização do Inter. Já o tratamento dado ao Grêmio é o de mero participante das competições, e se vier a conquistar um título será considerado como uma eventualidade.

    ResponderExcluir
  11. Ronaldo, acho que a RBs quer ficar numa boa com os colorados. tem fama de gremista.
    Mas acho que o Grêmio se voltar ao Mundial terá tratamento semelhante.

    ResponderExcluir